“Saga Brasileira” é leitura essencial para quem quer entender a inflação dos anos 1980 e 1990

“Saga Brasileira” é leitura essencial para quem quer entender a inflação dos anos 1980 e 1990

Uma boa equipe econômica, um plano com bases sólidas e uma população disposta a enfrentar a turbulência. Simplificando, é assim que um país vence a inflação. O Brasil conseguiu este feito, mas não sem errar muito antes. Os erros e acertos são retratados no livro “Saga brasileira: a longa luta de um povo por sua moeda”, da jornalista Miriam Leitão.

As mais de quatro décadas de experiência no jornalismo econômico proporcionaram à autora uma expertise inigualável. Além de perita nos conceitos de economia, Leitão viveu cada um dos planos econômicos na pele e acompanhou histórias de pessoas do Brasil inteiro durante as trocas de planos, ministros, presidentes do BC… e o melhor: retratou tudo isto em tempo real em suas colunas e participações na TV. 

Tudo o que ela (e o Brasil) vivenciou nos turbulentos anos de inflação e hiperinflação está nas quase 500 páginas de “Saga brasileira”, um livro essencial para qualquer pessoa que queira entender a inflação brasileira e suas consequências desastrosas para a população

A inflação sob a perspectiva de quem a vivenciou na pele

Apesar de fazer uso de alguns termos mais rebuscados e exigir do leitor um conhecimento prévio sobre o “basicão” da economia, “Saga brasileira” está longe de ser um livro teórico sobre planos econômicos. Ao final, há, inclusive, um glossário ao final para possibilitar a leitura de quem é leigo em economia.

A obra de Miriam Leitão se diferencia entre os vários livros escritos sobre a inflação brasileira por trazer os relatos de pessoas reais, que sofreram os impactos diretos do caos econômico em suas vidas. Festas replanejadas, negócios fechados, oportunidades perdidas e até mesmo episódios da vida da própria autora compõem a narrativa.

“A inflação era a nossa Bastilha. O povo brasileiro queria derrotá-la, tomar o que parecia ser a cidadela do inimigo, derrubar seu muro, ocupar sua fortaleza, fechar o local onde ela mostrava suas garras.” ‒ Trecho do livro “Saga brasileira: a longa luta de um povo por sua moeda”

No meio do livro, páginas em papel fotográfico exibem momentos do Brasil ao longo dos planos. Não são fotografias dos economistas e presidentes, mas dos brasileiros comuns, que ficaram reféns dos preços constantemente em alta, que viram prateleiras vazias, que tiveram que fazer estoque de compras para transformar seu salário em algo palpável. “Uma crise econômica não é apenas uma sucessão de números ruins. Atrás dos índices, existem pessoas”, escreve Leitão. 

Leitão nos leva de volta às décadas de 1980 e 1990 com o objetivo de rememorar o período inflacionário para que ele não mais se repita. 

Logo no início do livro, ela conta qual será o fio narrativo da obra: “Este livro quer contar a história em que um povo passou por ansiedades e dores, suportou agressões aos seus direitos, velou de madrugada, viveu sobressaltos, fiscalizou, reagiu; acreditou uma, duas, seis, quantas vezes foram necessárias […] Dentro dos gabinetes dos governos e nas salas das famílias, uma grande história foi vivida.” 

Os bastidores dos planos econômicos 

Em “Saga Brasileira”, ficamos sabendo mais sobre os bastidores dos planos econômicos, que envolveram longas reuniões de ministros e secretários, debates entre economistas da PUC-Rio, negociações com o FMI e com outros agentes internacionais, nomeações estratégicas e vários outros detalhes, que Miriam Leitão recolheu através de entrevistas com importantes personalidades, como Persio Arida, FHC, André Lara Resende, Gustavo Franco, Henrique Meirelles e muitos outros. 

A jornalista também se debruça sobre acontecimentos externos que abalaram a economia mundial, com destaque para a crise asiática de 1997 e a crise do subprime em 2008. Em um dos capítulos, Leitão relembra a crise hiperinflacionária alemã nos anos 1920, que levou à ascensão de Hitler e à Segunda Guerra. É interessante notar como a autora vai entrelaçando as diferentes histórias para explicar o Brasil nos tempos de inflação. 

Outro aspecto interessante de “Saga Brasileira” é a forma como Miriam Leitão apresenta os pontos positivos de cada um dos planos econômicos, sem minimizar as suas falhas. Ao falar do Plano Collor, a jornalista não economiza críticas ao traumático “sequestro da poupança”, mas também evidencia que o plano foi pioneiro ao iniciar as privatizações no Brasil. 

Após estabilização da moeda, o Brasil tem muito outros desafios para enfrentar

Mesmo sendo jornalista de economia, Miriam Leitão reforça que a economia não pode ser o principal tema dos noticiários todos os dias. Se isso acontece, é porque algo está errado. Como de fato esteve nas décadas de 1980 e 1990 pré-Plano Real. A autora diz que “a economia se destina a ser a base na qual são feitas as escolhas do país”.

Nos últimos capítulos do livro, a autora se debruça sobre os vários outros problemas que precisam ser resolvidos. Segundo ela, é necessário que os brasileiros tenham o mesmo afinco para cobrar resoluções do governo quanto tiveram nos tempos inflacionários. “São inúmeros os desafios do Brasil; são imensas as possibilidades. Enormes as tarefas já realizadas; pesadas as que ainda faltam fazer. Um país com a agenda lotada de trabalhos e no meio do caminho de mudanças”, escreve. 

“Quanto mais se consolidava a estabilização, mais fácil se tornava ver os outros defeitos do Brasil que precisam ser enfrentados. Às vezes os desafios parecem tão múltiplos que o temor é de que não se possa vencê-los pela dificuldade de escolher a prioridade”  ‒ Trecho de “Saga Brasileira”

A nova edição de “Saga Brasileira”, lançada em 2019, inclui também um capítulo sobre a crise econômica de 2015, quando o Brasil voltou a flertar com a inflação, um fantasma que está sempre assombrando os países que não fazem esforços recorrentes para contê-la. 

Depois de acompanhar os planos econômicos em “Saga Brasileira”… o que ler?

Entender sobre inflação te ajuda a explorar uma série de outras obras sobre economia e investimentos. Mas selecionar quais dessas obras valem a pena pode ser um desafio. Há uma série de livros maçantes e complexos, que usam termos rebuscados, dificultando o entendimento dos não economistas. 

Por isso, uma curadoria especializada de livros pode ser bem benéfica para quem quer ler outros livros de economia. É justamente esse o propósito do clube de livros Empiricus Books. A cada 2 meses, os assinantes recebem em casa um título relevante (muitas vezes inédito no Brasil) que perpassa os temas de economia, negócios e finanças

As obras são selecionadas pela equipe da Empiricus, que inclui mais de 30 analistas com vasta carga de leitura. Entre os títulos já enviados, estão as biografias dos mega investidores Warren Buffett e George Soros, um ensaio de Mario Vargas Llosa (vencedor do Nobel de Literatura) e o clássico “Princípios”, de Ray Dalio.  

Você pode conhecer mais sobre o Empiricus Books clicando aqui.


Sobre o autor
Maria Eduarda Nogueira
Maria Eduarda Nogueira
Produtora de conteúdo na Empiricus. Jornalista em formação pela Universidade de São Paulo (USP), já trabalhou com assessoria de imprensa, turismo e mídias sociais.
Qual a perspectiva para economia em 2022? Veja o que fala Gustavo Loyola, ex-presidente do Banco Central Saiba o que faltou para quem comprou Bitcoin e Magalu ter ficado milionário Além de comentarista, Arnaldo Cézar Coelho teve carreira no mercado financeiro Palavra do Estrategista e Empiricus Books (combo 2 x 1 ) Como a Empiricus faturou R$ 20 milhões em 7 dias com um PDF O que é ESG? E o porquê você deve investir nessas ações Quais as qualidades exigidas para os líderes do futuro? Participe de fórum online gratuito Por trás da ciência das primeiras impressões: conheça ‘Blink’, de Malcolm Gladwell Marketing digital está em alta- como receber salários de até R$ 60 mil na área Você poderia ter trocado R$100 por R$10.769 – essa é sua nova chance com cripto, uma gamecoin